22/07/2016

coisas simples

"Quero sempre coisas simples, muito simples até. Daquelas que poucos (como eu) querem. Daquelas que a poucos (como eu) bastam.

Depois, ‘’tenho’’ isso que chamam de sorte: a vida vai-me fazendo feliz.

Com essa ‘’sorte’’ nas mãos, sorrio. Sorrio porque sei sorrir à vida - mesmo quando ela me dói. Sorrio porque posso sorrir à vida - e faço questão de olhá-la, sempre, nos olhos.

Com essa ‘’sorte’’ nas mãos, agradeço. Sim, sou dessas. Agradeço tudo e nunca acho demais. Agradeço a saúde, agradeço o amor, agradeço o pão de cada dia, agradeço o trabalho, agradeço as alegrias, agradeço os erros e a coragem, agradeço os abraços, agradeço a luz que vive cá dentro, a fé que me carrega, agradeço muito por ter ‘’isso’’ que chamam de sorte.

Chamam-me optimista porque olho a vida nos olhos, e sorrio sempre. Chamam-me optimista porque sou feliz com o que sou e com o que tenho.

Eu, chamo-me optimista porque todas as coisas simples que peço à vida, só poucos, como eu, querem. Chamo-me optimista porque todas as coisas simples que a vida me dá, só a poucos, como eu, bastam."

às nove


SHARE:
© serendipity. All rights reserved.