01/08/2016

fim de semana bom #7of14

Se eu não vou a Lisboa, a minha parte de Lisboa vem até mim. E este foi o mote do fim de semana. Eu não fui, vieram eles:) e foi tão, mas tão bom.
Sabe-me bem ser turista na própria cidade, descobrir coisas novas, revisitar locais de sempre, sentir o espanto de quem vê pela primeira vez, passear descontraída pelas ruas da cidade (cheias dos verdadeiros turistas, com uma Baixa ao rubro, mas longe do ritmo frenético da semana). Sabe-me bem respirar a cidade com calma, descontracção, sem um horário ou encontro marcado. Sabe-me bem a surpresa e estar com pessoas de bem.

Um Verão easy living e um coração cheio por sentir que este fim de semana fomos todos (ainda mais) felizes.

 O melhor do meu fim de semana (e do deles)*:

O fim de semana começou com as maravilhosas, num jantar cá em casa, em modo "abrandar de semana", com muita conversa, o tinto de sempre, a cumplicidade inexplicável.



Depois de uma semana, e um mês, de temperaturas acima da média, de sol e noites quentes, meu querido S. Pedro decide presentear-nos com um sábado cinzentinho, com vento e frio. Agradecíamos que assim não tivesse sido, mas estava implícito em todos que nada iria perturbar o mood do fim de semana. Redefinimos alguns programas que "exigiam" sol e céu limpo, seguimos outros tantos, não riscamos muitos "pontos obrigatórios", mas fomos absolutamente felizes na preguicinha que se instalou aqui e ali.

Sábado....
Começou com o café da manhã na Tavi e o reconhecimento das expressões portuenses mais características, repetidas constantemente ao longo do fim de semana, para delírio da "Margem Sul" e da minha sócia do Estoril, a saber: #baimealoja #andorbioleta #c'agrizo #morcom #...


O tempo estava cinzentão (e bem bem fresco pela Foz) e entre "o que é que nós vamos fazer assim?" e um passeiozinho para digerir o café da manhã, acabamos em modo montras, showroom da Latitid e todo um "veste e despe" de roupa na minha loja favorita Together (escusado será dizer que quem se "desgraçou" fui eu ahahaha).
Depois de compras feitas decidimo-nos por uma incursão às Caves do Vinho do Porto (versão turística do fim de semana), o que não se revelou uma ideia fácil. Levar com pouca simpatia e amabilidade às duas da tarde de sábado é coisinha que não me assiste ("só às 14", "só às 14", "se quer em francês tem de reservar", ahahahah) e a Sandeman é perita nisso (nisso e no facto de só ter visita guiada em português 2h após a abertura ao público), pelo que o plano B (muito acertado) foi recorrer a uma das 53 portinhas ao lado, para o mesmo efeito. Na Calém fomos agradavelmente surpreendidos, tivemos direito a visitinha e duas provas de vinho - 6 euros/pessoa -, um "fim de boca" com "sabor a banana" ahahahah e umas tonturas à saída (eram quatro da tarde e estas alminhas provaram dois vinhos apenas com um café da manhã, há muito desaparecido).






Para o almoço - completamente fora d'horas - deleitamo-nos com 140gr de novilho no Munchie (um clássico, sempre bom).


 
 
Hambúrguer no bucho, tempo cinzento, uma noite top para aproveitar, moleza e necessidade de descanso levaram-nos até casa. Ao cochilinho para uns, à conversa maravilhosa na varanda, com cappuccino e os Rex da Ribeiro, para outros.

Anfitriã que não leva os amiguinhos no primeiro jantar a uma francesinha é suspeita, mas estou em crer que eles não se importaram nadinha. O jantar foi bom demais e a sangria de espumante (e malagueta) acompanhou na perfeição o (nosso) ambiente delicioso no Cruel.


A Baixa do Porto esteve todo o fim de semana imbuída do fenónemo Harry Potter, a nossa M. (verdadeira fã) esteve em delírio e levou-nos a passar umas trezentas e quarenta e sete vezes em frente à Livraria Lello ahaha mas fomos mais fortes e a "Princesa da Disney" rendeu-se (com muita ) ao copo de gin e ao som da música.


Domingo....
Assumimos na perfeição o "easy like sunday morning": o acordar ao ritmo de cada um, os banhos, a varanda, o secador e o pó talco, os bikinis e os vestidinhos, o Corpos Danone da praxe, a musiquinha gostosa, o Harry Potter (sempre o HP ahahah), vahhh toda uma preparação para o dia fantástico que tínhamos pela frente.

Uma parte do domingo estava definida. A melhor, a que estendemos e fizemos perdurar. Porque somos mais felizes quando levamos connosco esta alegria das coisas simples.
Num #picnic no Parque da Cidade.






Recorremos a um serviço/conceito de piquenique - em modo takeaway - e ficamos super fãs. O serviço, o menú, a qualidade e o cuidado em cada pormenor levam-nos a recomendar muito (mas mesmo muito) o Piquenique (a Eduarda é uma simpatia e explica tudo direitinho, por isso vou poupar essa parte).

Ao domingo (e em todos os outros dias) tudo é factor potenciador (não lhe quero chamar desculpa lol) para uma merecida sesta e, uma vez reunidos um sol quentinho, um pós #picnic maravilhoso, as mantinhas na relva, a Ivete a tocar, os passarinhos e cãezinhos e todos os inhos como musiquinha de fundo, umas revistas para entreter, um tom de pele para manter, foi isso mesmo que fizemos: NADAAAAA.

Passamos deste estado meio atordoado de prazer para aquela que seria a segunda versão turística do fim de semana - a Torre dos Clérigos, assim de forma lentinha em passeio pára-arranca pela marginal e sumo do bem na Mercearia do Miguel.





Tentei, juro que tentei, mas o Santiago está fechado ao domingo e este é o spot preferido para lambuzar uma francesinha, por isso acabamos por atacar umas foccacias no Reitoria antes da viagem de regresso deles.

Não lhes proporcionei a francesinha (um entre mil propósitos que os leva a querer voltar), mas não os deixei sair do Porto sem um mini éclair da Leitaria Quinta Paço (mini, porque os grandes já tinham acabado).


Prometemo-nos, comprometemo-nos, demos e recebemos de coração aberto este fim de semana.
Obrigada


* há toda uma panóplia na qualidade do registo fotográfico, consequência dos dois meios que uso para o fazer: telemóvel ou máquina, e apesar de isso não ser nada bonito, estou em crer que acabará em brevemente.

Boa semanaaaaaaa


SHARE:
© serendipity. All rights reserved.